Victor Mota gostaria que mais ceramistas fizessem arte pública nas Caldas

0
1178
Victor Mota - Gazeta das Caldas
Victor Mota com a sua caricatura de Fernando Pessoa - Natacha Narciso

Victor Mota é o autor de “D’Águas”, a quarta peça da segunda colecção da Gazeta das Caldas, dedicada às termas locais. O ceramista é também autor da peça de arte pública que representa S. Cristóvão e que foi colocada em Agosto passado no bairro homónimo, embelezando um largo que foi requalificado. Victor Mota gostaria que outros ceramistas fossem convidados para produzir mais obras de arte pública para as Caldas da Rainha. 

O ceramista Victor Mota, responsável pelo Atelier Linhas de Terra, produz peças decorativas para lojas do Norte a Sul do país. Cria jarras, taças, potes e uma linha decorativa de animais que tem tido imenso sucesso.
Além de corresponder às encomendas dos seus clientes habituais, este autor vai também concretizando alguns projectos especiais. A celebrar 31 anos de trabalho cerâmico, Victor Mota foi convidado para criar uma obra de arte pública que hoje embeleza um largo em S. Cristóvão. A peça foi inaugurada no passado mês de Agosto e, segundo o autor, é uma obra do Linhas da Terra já que “ninguém faz nada sozinho”. Além do ceramista, para a concretização do santo (que possui 1,20 metros), colaboraram igualmente Helena Brito e Manuela Mota. “Foi um trabalho fantástico que ainda por cima foi colocado na área onde fica a nosso atelier”, comentou o autor que gostaria que outros ceramistas também fossem convidados para realizar obras de arte pública na cidade.
No Linhas da Terra já se fizeram esculturas cerâmicas maiores, com cerca de 1,5 metros, para clientes particulares. “Foi bom termos contribuído para embelezar a requalificação do próprio bairro de S. Cristóvão”, acrescentou o ceramista.
Outra das áreas que Victor Mota está a coordenar são letras em cerâmica para logótipos de espaços comerciais.

CARICATURA É NOVA APOSTA

Uma outra área que em breve vai ter desenvolvimento no Linhas da Terra é a da caricatura. O autor já tem um novo Fernando Pessoa e outras personalidades serão representadas neste atelier caldense, a pedido dos seus clientes. Na opinião de Víctor Mota, os irmãos Constantino, que têm atelier no Nadadouro, “são os melhores nesta área” no entanto, havendo mercado, “chega para todos”.
O Atelier Linhas da Terra, que se encontra a celebrar o seu quarto aniversário, recebe também estrangeiros que residem na região que ali aprendem a fazer cerâmica. Do grupo fazem parte ingleses, belgas, holandeses, americanos, franceses, russos, brasileiros e alguns portugueses que dão largas à imaginação no trabalho em cerâmica naquele atelier. Anualmente, os formandos realizam uma exposição final com os seus trabalhos no Céu de Vidro.
D’ Águas é a quarta proposta da segunda colecção de cerâmica, lançada pela Gazeta das Caldas, sob a temática das Termas das Caldas. Custa 30 euros para os assinantes do jornal e 35 euros para o público em geral.